Menu

Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Barra Crachás

Barra Crachás

4 de setembro de 2015

ENFERMEIRAS PÁRA-QUEDISTAS RELATOS V


Angola - Base de Negage - Agosto de 1961 - As enfermeiras
pára-quedistas Arminda e Ivone, em missão de apoio no âmbito de uma
operação na Serra da Canda


Um antigo oficial pára-quedista,
perfeitamente identificado perante mim, mas que prefere manter o
anonimato, mandou-nos em 30 de Julho p.p., a seguinte mensagem:



Assunto: As nossas queridas enfermeiras

Amigo, reparo agora nesta segunda parte de uma mensagem que te
enviei há tempos e que se teria perdido no amontoado de outras com que
te assoberbam (presumo...).

Parece-me simpático e adequado ao ambiente homenagear as duas decanas,
ilustrando um acontecimento único e que pouca gente conhecerá, pelo que
junto agora um testemunho alusivo, da minha amiga Ivone (não sonhada mas
de jure):

"(...) entrámos a 6 de Junho de 1961 e fomos brevetadas a 8 de Agosto. No fim do curso, ficámos umas semanas em Lisboa, para se fazerem as nossas fardas e tratar de toda a papelada porque era a primeira vez que se fazia um curso daqueles.

"Enquanto se faziam as fardas, houve uma operação na serra da Canda e pensaram: Vão duas enfermeiras, para se fazer o teste da sensibilidade dos soldados, para ver como é que eles reagem às mulheres. Eu e a Maria Arminda fomos para Angola, não sabíamos bem para quê, para um teste de integração do meio operacional.

"Fomos no dia 22 de Agosto de 1961 e no dia seguinte participámos no lançamento de pára-quedistas, numa zona de combate. Ficámos na base aérea, no Negage. Na zona mais próxima da guerra havia sempre um posto de comando, a partir do qual os aviões lançavam os pára-quedistas. Nós aterrávamos na base do comando operacional, onde se comandavam os lançamentos. Não pudemos saltar, estivemos dentro dos aviões enquanto eles saltavam e fazíamos o apoio sanitário porque levámos todo o nosso equipamento. Depois, aterrámos numa determinada zona no Norte de Angola, onde estava o posto operacional de comando, para ver como é que a operação se desenrolava". (...)

Um abraço.

PS 1 - Repito então...

Par contre (français, han....? que já ninguém fala e é
a nossa língua de cultura)... se quiseres publicar, sem referência à
origem por favor, esta fotografia histórica de uma Op na Serra da Canda,
em Agosto de 1961, onde se vêm, no Negage, as Sras. Alf Arminda e Ivone  - hoje tenente e capitão reformados,  respectivamente.

Mas que conversa é essa das nossas queridas enfermeiras?!  Há
malta que  parece que  esqueceu a distância que havia e que seria
pertinente não aviltar.  Há um limite para a o devaneio e para a lavagem; nem para mim, minhas queridas,  e conhecia-as bem... o respeitinho é uma linda coisa!

Em geral e no mínimo, para não militarizar o ambiente, seria Sra. Dona..., não é?