Menu

Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Barra Crachás

Barra Crachás

31 de agosto de 2015

FIGURAS QUE MARCARAM AS TROPAS PÁRA-QUEDISTAS III

LUÍS SAMPAIO TINOCO DE FARIA
401496_223080421113005_323418494_n
00H30 do dia 28 de Abril de 1966, saíu do aquartelamento do Mejo o pelotão de pára-quedistas comandado pelo alferes Ferreira da Silva; nele seguia integrado o comandante da Esquadra de Defesa Mista, capitão Tinoco de Faria, acompanhando e transmitindo confiança àquele pequeno grupo de homens que, embora sabendo ser o inimigo muito mais numeroso e bem armado, seguiam o seu comandante sem hesitação. A progressão foi feita a corta-mato até ao local da emboscada, no ponto de coordenadas 1455-1120 d8.


Pelas 05H00 todo o dispositivo estava montado, num terreno levemente inclinado, oferecendo bons abrigos, embora pouco arborizado; às 10H00 ouviram-se várias rajadas de armas automáticas, a cerca de cinco quilómetros de distância. A espaços regulares o inimigo abria fogo de reconhecimento, aproximando se cada vez mais da posição ocupada pelo pelotão de pára-quedistas. Já muito perto dos primeiros homens do grupo de combate foi feito intenso fogo de reconhecimento; as nossas tropas, sem revelarem a sua presença, continuavam a aguardar calmamente a passagem dos homens do PAIGC. Um a um, dez guerrilheiros armados, fardando calção e camisa amarela, começaram a entrar na «zona de morte»; mais atrás divisava-se o resto do grupo de mais de 60 homens. Subitamente, os guerrilheiros que seguiam na vanguarda da coluna agitaram-se e tentaram recuar; um cão que seguia à frente dos homens do PAIGC tinha pressentido a emboscada e dado o alarme. As nossas tropas abriram fogo de imediato, abatendo 7 dos 10 elementos que se encontravam já a cerca de dez metros das suas posições. A reacção do inimigo foi incrivelmente rápida e com grande potencial de fogo em tiro rasante. Um dos três guerrilheiros sobreviventes da «zona de morte», abriu fogo, tendo atingido o capitão Tinoco de Faria. Ao sentir-se alvejado, tentou mudar de posição mas foi novamente baleado com gravidade. Alguns segundos depois foram abatidos os três guerrilheiros que caídos na «zona de morte» tentavam, desesperadamente, bater em retirada. Os sobreviventes  do grupo inimigo tinham-se, entretanto, instalado junto à mata ocupada pelas nossas tropas desencadeando violento ataque com metralhadoras pesadas, morteiros e armas ligeiras; o ataque durou 45 minutos durante os quais o pelotão de pára-quedistas respondeu com eficácia ao fogo inimigo. Novas baixas, embora não confirmadas, foram causadas aos guerrilheiros do PAIGC, obrigando-os a retirar para posições mais seguras. A pausa foi aproveitada para transportar o ferido para um local onde fosse possível a sua evacuação. Apesar de prontamente socorrido, o estado do capitão Tinoco de Faria inspirava sérios cuidados. O inimigo mudou então de táctica, passando a seguir as nossas tropas, flagelando-as à distância; o pelotão ia respondendo ao fogo, continuando a sua marcha em direcção ao rio Tenhege. Transposto este, o perigo diminuiria e seria possíve efectuar a evacuação do ferido cujo estado de saúde se agravava a olhos vistos. Pelas 12H00 foi atingida a orla da mata, no outro lado do rio Tenhege; ao chegar a este local, o pelotão sofreu novo ataque de um grupo de cerca de 20 elementos emboscados no interior de uma mata próxima. O tiroteio foi, uma vez mais, violento, e 2 guerrilheiros foram imediatamente abatidos; por seu lado, o apontador da metralhadora MG-42 atingiu mortalmente mais 2 elementos inimigos, e o operador do lança-roquetes abateu ainda outros 2 homens do PAIGC que se acoitavam atrás de um morro de «baga-baga» (1 ). O inimigo não conseguiu reagir e retirou, definitivamente, com pesadas baixas. Entretanto, o estado de saúde do capitão Tinoco de Faria agravou-se de maneira irrecuperável; pelas 12H10 e apesar dos desesperados esforços do enfermeiro do pelotão, a forte hemorragia interna causada peia balas inimigas provocou a sua morte. O golpe foi duro, mas passada a emoção dos primeiros momentos recomeça a caminhada. Durante toda a noite e manhã, tinha sido tentado, em vão, o contacto rádio com o aquartelamento de Mejo; a distância era grande e a arborização densa. Por outro lado, a sede e o cansaço começavam a atormentar até os mais resistentes. O transporte do morto estava a ser feito numa maca improvisada, por entre caminhos extremamente difíceis, em marcha esgotante.
Pelas 17H00 os pára-quedistas vêem surgir por sobre as suas cabeças um avião DO-27 que se dirigia para o Guileje; o contacto rádio foi conseguido sendo o piloto informado da gravidade da situação. Restava agora aguardar, com esperança, a chegada do auxílio pedido pelo comandante do pelotão; pelas 18H00 o morto foi, finalmente, evacuado de helicóptero, das margens do rio Liijol para o Mejo. O pelotão continuaria a sua marcha alcançando o aquartelamento do Mejo cerca das 19H30. A atestar a dureza dos combates, ficavam os 16 guerrilheiros do PAIGC mortos na luta; por seu lado, os pára-quedistas tinham perdido o seu comandante. Caído no campo de batalha, o capitão Tinoco de Faria seria postumamente louvado, condecorado e promovido a Major.
408640_223084634445917_1996433700_n
Guiné Bissalanca 1965
MILITARES CONDECORADOS
O comportamento em combate dos militares da Companhia de Pára-quedistas da BA 12 mereceu, por parte dos Comandos responsáveis, a concessão de numerosos louvores e a atribuição de algumas das mais altas condecorações nacionais. São de destacar a medalha da Cruz de Guerra de l.a Classe atribuída ao capitão Tinoco de Faria, e as medalhas da Cruz de Guerra de 2.a Classe com que foram galardoados os alferes milicianos Ferreira Casaca e Ferreira da Silva bem como os soldados Santos Duarte, Silva Saavedra, Rodrigues de Almeida , Miranda de Abreu , Augusto da Conceição e Ferreira Jorge .
Oração escrita pelo Capitão Tinoco Faria
ORAÇÃO DE UM PÁRA-QUEDISTA
Senhor:
Eu não quero pedir-Vos impossíveis
Que Vós realizais,
Não quero uma coroa de louros
A aureolar os meus cabelos,
Não quero o meu nome escrito
Entre o dos Imortais
Nem tampouco quero dinheiro, honra e fama
A levantar-me desta imunda lama
Em que vivo.
Senhor:
Eu que humanamente
Não sou cobarde nem valente
Quero pedir-Vos
Fé em mim próprio e bravura
Para que sem dúvida e sem hesitação
Me lance de toda a altura
Que alcance a minha imaginação,
Que a minha vontade domina
Para que o meu sonho doirado
Que sempre ambicionei
Seja realizado.
Senhor:
No momento decisivo
Arranca de mim o medo que me poderá tolher
E deixa-me viver,
Sózinho,
No Teu espaço imenso
Todas as sensações
De que o meu corpo extraordináriamente tenso
Se possa aperceber.
Senhor:
Que toda essa seda branca
Que me esconde do Teu céu azul
Me faça mais suave a descida
Para que o contacto entre mim
E a Tua terra amiga
Não vá criar
Neste espírito irrequieto
Complexos que o inibem de saltar.
Senhor:
Que se um dia for chamado
Para o cumprimento do dever
Possas ver marchar
De encontro à morte
Um homem que sabe jogar
A sua última cartada da sorte.
Senhor:
Depois de todas estas preces
Só quero render-Vos graças
Da minha alma agradecida,
Porque tornaste realidade
A máxima ambição da minha vida:
Ser PÁRA-QUEDISTA
Por minha e Vossa vontade.
Tinoco Faria
"DITOSOS OS DIGNOS DE MEMÓRIA"
166970_223087387778975_321997872_n
Aqui, (dta) na companhia de outros oficiais e de Kaúlza de Arriaga
Por Jorge Costa